15 de julho de 2009

Cracóvia (III)

(Continuação da postagem anterior.)

Homenagem a João Paulo II, arcebispo de Cracóvia antes de ser papa

Uma das torres do antigo muro da cidade

Cruz em lembrança ao massacre de Katyn

O massacre de Katyn foi uma execução em massa de cidadãos da Polônia ordenada por autoridades da União Soviética em 1940. Estima-se que o número de pessoas executadas seja de quinze a pouco menos de 22 mil.

Prisioneiros de guerra polacos foram assassinados numa floresta nos arredores da vila de Katyn, em prisões e em diversos outros lugares. Cerca de oito mil vítimas eram militares polacos que haviam sido tomados como prisioneiros na invasão soviética da Polônia em 1939, sendo o restante cidadãos polacos presos sob alegações de pertencerem a corpos de serviços de inteligência, espionagem, sabotagem, e também proprietários rurais, advogados, padres etc.

O Castelo Real em Cracóvia

Vista do pátio do Castelo Real

Vista do rio Vístula a partir do Castelo Real

Além das construções históricas, próximo à cidade de Cracóvia situa-se a mina de sal de Wieliczka. A mina, aberta no século XIII, funcionou até o ano de 2007 produzindo sal. Parou-se a produção porque o processo se tornou economicamente inviável. Entretanto, a mina passou a produzir riqueza a partir do turismo devido às verdadeiras construções feitas em seu interior.

Ida para a mina de sal

Escultura e candelabro no interior da mina de sal

Escultura no interior da mina de sal

(Continua na próxima postagem.)

Postar um comentário