14 de agosto de 2009

Auschwitz-Birkenau (IV)

(Continuação da postagem anterior.)

No porão do bloco 11 situavam-se as "celas negras": celas com apenas uma única e pequena janela vedada, por onde entrava luz -- mas não ar. Os prisioneiros colocados nestas celas iam gradualmente sufocando, pois consumiam todo o oxigênio presente na cela. Às vezes as SS acendiam velas nas celas, para que o oxigênio fosse consumido mais rapidamente. Muitos eram pendurados com suas mãos atrás e acima do pescoço, deslocando as juntas dos ombros. Ficavam pendurados por horas, às vezes por dias seguidos.

Área "vip", entre os blocos 10 e 11, na qual aqueles presos mais "importantes" eram assassinados individualmente

Visão mais próxima do muro de fuzilamento

Notem que as janelas do bloco 10, à direita, eram tampadas. O objetivo era evitar que os prisioneiros deste bloco vissem o que ali acontecia. As salas do bloco 11, à esquerda, eram ocupadas pelos nazistas; daí as janelas sem "tampa". Notem, à direita, um mastro, no qual alguns prisioneiros eram enforcados (o muro de fuzilamento da foto anterior está nas costas)

A área de execução se situava entre os blocos 10 e 11. Nesta área eram mortos os prisioneiros considerados com méritos suficientes para serem assassinados individualmente. Alguns eram fuzilados, outros enforcados.

Hitler assinando algum documento

"A questão judaica não foi resolvida com a chegada ao poder dos nacional-socialistas. O trabalho mais difícil está apenas começando."

Multidões apoiando um discurso nazista. É famoso o fato de que os alemães tinham conhecimento do que era feito com os prisioneiros

"Um resultado da guerra será a destruição da raça judaica na Europa."

Figura mostrando as chamadas diárias, feitas sob quaisquer condições climáticas

Placa a respeito dos experimentos médicos realizados em Auschwitz I

Placa explicando as ações realizadas no bloco 11, a "prisão dentro da prisão"

Outra placa a respeito dos experimentos médicos

Explicação sobre o crematório

(Continua na próxima postagem.)

Postar um comentário