28 de agosto de 2009

Auschwitz-Birkenau (XI)

(Continuação da postagem anterior.)

Um dos crematórios de Birkenau. Ao perceberem a aproximação dos soviéticos, os nazistas explodiram todos os crematórios, tentando encobrir os crimes cometidos no campo de extermínio

Outro crematório explodido pelos nazistas quando da aproximação dos soviéticos, em janeiro de 1945

Mais ruínas de um crematório

Ruínas tentando encobrir o que não pode ser encoberto

Exemplo de carrinho de mão por meio do qual os "funcionários" de Birkenau carregavam os corpos -- cremados ou não

Entrada de Birkenau ao fundo com as chaminés dos galpões em primeiro plano

Linha férrea dentro de Birkenau mostrando claramente, à esquerda, o local em que os "aptos" eram separados dos "inaptos" (cerca de 75% dos recém-chegados ao campo, que continuavam na linha férrea até o seu fim -- a câmara de gás e o crematório)

Linha férrea dentro de Birkenau, com a entrada do campo ao fundo

... Ainda mais distante do portão de entrada...

... Quase chegando ao lado dos dois principais crematórios do campo

Fim da linha. Aqueles que chegavam até aqui eram diretamente enviados para as câmaras de gás e, posteriormente, para os crematórios (um de cada lado)

Memorial dentro do campo de Birkenau em homenagem às vítimas do nazismo

Memorial dentro do campo de Birkenau em homenagem às vítimas do nazismo

Memorial dentro do campo de Birkenau em homenagem às vítimas do nazismo

Os que eram considerados aptos para o trabalho eram usados como escravos em todas as indústrias que forneciam os produtos para os campos, tais como IG Farben e Krupp. No complexo de Auschwitz, 405.000 prisioneiros foram registrados como escravos entre 1940 e 1945; destes, certa de 340.000 morreram devido a execuções, surras, fome e doenças.

(Continua na próxima postagem.)

Postar um comentário